sexta-feira, 27 de junho de 2014

Homenagem à Davi Antônio

Davi (Geraldo santos) Brilha a estrela de Davi entre nós. Trazendo mais luz e graça ao seu lar. Paz às nossas aflições e esperança renovada. No céu e na terra a alegria é sentida, Vida que supera toda dúvida, E faz vibrar todos os corações. Davi que anuncia a alegria da vida. O milagre sublime de Deus Pai. Derrame sobre sua casa Senhor Deus, Toda graça, toda serenidade, todo amor. Renova em todos nós Senhor, A alegria de viver, de sermos filhos Teus, E semelhante a Ti Senhor. Davi Antônio, enviado do Pai, Para Marcelo, Angélica e Larissa, O seu lar iluminado na terra. Anjos e Arcanjos comemoram, É a vitória da vida. E nós aqui celebramos: Vivavida! VivaDavi!

sábado, 8 de março de 2014

Presente de Natal

Presente de Natal (Geraldo santos) Peço de presente uma história, cheia de história, Que me faça pensar e repensar a minha história. Quero um livro de poesia. Peço também um abraço, um bom amaço, Para lembrar o calor que leva um abraço. Quero só mais um abraço. Peço de presente um sorriso, singelo e fraterno, Que me faça voltar à infância, no frio do inverno. Quero um sorriso doce e terno. Peço também umas lágrimas, doces e salgadas, Pra não esquecer seu gosto e a retina molhada. Quero minha face molhada. Peço de presente um amigo, uma amiga, Que me faça voltar a acreditar na cantiga. Quero a amizade antiga. Peço também uma bela canção, cheia de emoção, Que embale meus sonhos da primavera ao verão. Quero um samba canção. Peço de presente a vida... Que me revela belas histórias, Com tantos e tantos abraços, Os mais diversos sorrisos, Misturados e molhados de lágrimas, Na face dos amigos que tanto estimo, Quando escutamos aquela canção... Peço de presente a vida. VIVAVIDA!

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Democratização dos Meios de Comunicação

Clube da Engenharia cobra posicionamento do Governo quanto ao marco regulatório da comunicação 01/02/2013 | Redação Fórum Nacional Pela Democratização da Comunicação O Clube de Engenharia enviou à Presidência a República uma carta aberta abordando os prejuízos para a sociedade pela não adoção de uma nova regulamentação para o setor das comunicações no país e pedindo um posicionamento do Governo Federal sobre o tema. A carta, enviada no dia 17 de janeiro, inclui os 20 pontos apontados pelo Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) como essenciais para a democratização da comunicação e do direito à informação no Brasil. “A ação foi realizada diante da passividade do Ministério das Comunicações em colocar em discussão o marco regulatório da Comunicação, depois de várias promessas e desculpas, inclusive em evento do próprio Clube de Engenharia juntamente com Revista Carta Capital”, explica Márcio Patusco, representante do Clube de Engenharia, lembrando a participação do Secretário-Executivo do Ministério as Comunicações, Cézar Alvarez, no evento “O Futuro das Telecomunicações”, realizado em 2011. “À época, Alvarez disse que iria colocar o marco na rua em 90 dias. Isso foi em agosto de 2011 e desde então não houve nenhuma discussão sobre o tema. E por isso voltamos a questionar o governo”. Para Patusco, o governo deve, no mínimo, realizar o debate sobre a questão junto à sociedade civil, movimentos sociais e o empresariado. A carta questiona as respostas do gabinete da Casa Civil a uma carta anterior encaminhada pela entidade em dezembro de 2012, em que apontavam o prejuízo econômico, técnico e social da omissão do Governo Federal na instituição do marco: “Especialistas foram unânimes em reconhecer a desatualização de nossas regras na área de comunicações estabelecidas em legislação arcaica e inadequada para lidar com as tecnologias atuais. Trata-se de uma colcha de retalhos que não consegue mais atender aos anseios da população, dos investidores e nem contribui para estabelecer requisitos de serviços, concessão de outorgas e abertura para a competição”, diz a carta, que aborda também a não regulamentação do Capítulo V da Constituição Federal, que trata da Comunicação no país. “As respostas enviadas pelo Gabinete nada têm a ver com a primeira carta. Eles nem sequer citam o que seria o marco regulatório em sua resposta e anexos. Ficou uma coisa sem pé nem cabeça”, diz Patusco. “Qualquer posição que eles adotem influirá nas decisões. Temos toda uma cronologia para atuação em função da luta pelo marco regulatório ainda neste semestre. É complicado, pois já no final do ano começa a disputa para as eleições”, disse, ressaltando a urgência do posicionamento do governo. O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) realizou no ano passado diversas atividades pelo debate da renovação da legislação brasileira e organiza a campanha “Para Expressar a Liberdade – Uma nova Lei para um Novo tempo”, que reúne dezenas de entidades da sociedade civil para pedir a instauração de um debate democrático sobre as políticas de comunicação no país e a efetivação de uma consulta pública para o projeto de lei do novo marco regulatório do setor, compromisso do governo da presidenta Dilma Rousseff desde o início de 2011.

Presente à Marcelo e Angélica

Todos os dias mais felizes de nossas vidas. (para Marcelo e Angélica, 26/01/2013) (Geraldo Santos) Aquele dia em que te olhei e percebi Nos teus olhos o brilho dos meus, E que tiveram o sim mais esperado, Mais desejado de toda minha vida. Naquele dia que meu beijo encontrou o seu. Tão sublime quanto foi teu sorriso Foi a alegria de saber que teria toda a vida Pra sentir a delicia daquele sabor. No dia em que sentimos outro coração bater. Tanta alegria que não cabia no céu. E que foi maior quando seu choro avisou: Estou aqui pra temperar este amor. Dia em que teve não, sim e sim. Que teve lágrimas, silêncio e som. Que teve o vazio, frio e o calor, Do teu colo, do teu abraço e do teu amor. Dias que foram os mais felizes. Saudade! Dia que é o mais feliz. Que felicidade! Dias que serão os mais felizes. E todos serão de verdade. Viva a delícia do nosso amor, Por todos os dias de nossas vidas.

sábado, 19 de janeiro de 2013

PRESENTE IMPRESSIONISTA

PRESENTE IMPRESSIONISTA. Surpreendente. Mais que o número expressivo de visitantes foi o vigor demonstrado por estes durante as longas horas até o encontro com as obras impressionistas. E deve ter impressionado ao mais crítico do sabor popular pela arte e cultura. Aliás, saber dos detalhes técnicos pouco importava, assim como minúcias acerca do contexto histórico das belas telas, da oscilação da luz, da construção das cores, tudo isto será um ato consequente que certamente fará dos milhares de visitantes mais ou novos amantes da arte impressionista. E no andar de cima já havia uma prévia audiovisual com um breve e elucidativo histórico didático. A longa espera ficou em segundo plano após o diálogo intimo com cada exemplar da exposição. Alguns desafiavam a dúvida: será que se trata de uma fotografia? Tamanha a precisão de detalhes na imagem. Impressionante mesmo. Outra definição não descreveria tal originalidade. Chamou a atenção a presença marcante de crianças, um detalhe bem bacana. Pais e filhos que participavam desta ímpar exposição. Rara oportunidade de imaginar e sentir o que desejava o artista ao registrar sua mensagem em cada obra. Era impossível não se ver em cada local, com aquelas pessoas, vivendo aqueles momentos. Era o Tocador de Pífano que parecia sair da tela, o sedutor Banho literário, as Colheitas multicoloridas, a tradição da Família, a cumplicidade de Gabrielle e Jean, a suavidade do Berço, a exuberância natural do Lago, da Paisagem e do Jardim, entre outros, tiravam o folego. A Espera e Montmartre nos transportavam para seu interior, assim como o Sacré-Coeur. Por instantes, O Caminho da Máquina nos levou pelas ruas da velha Paris, ouvimos os sons do Moulin Rouge e terminamos dançando no Salão, era O Baile. Os olhos que brilhavam nas telas diziam à cada visitante sua particular mensagem. Tudo maravilhoso. Um presente impressionista. Mais que justificada a procura intensa e numerosa pela exposição. Foi um raro prazer. Ficará a saudade deste encontro tão especial e fica também a certeza de que de fato novos sabores cada vez mais conquistam os brasileiros, sem deixar de lado nossas preferencias. Vamos aguardar as próximas exposições porque esta foi deliciosa. Grato aos Gênios do Impressionismo.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Sorria, abrace...

O abraço cura, acalenta e envolve a alma. O sorriso reluz e externa todo prazer. Para que saber das palavras que são ditas? De pouco ou nada elas irão valer. Diante do singelo infinito que há fora delas. Sorria, abrace. Deixe extravasar todo seu ser.